10.7.12

É, não sei mesmo lidar com a selva. Nunca aprendi. Não sei se quero aprender, uma das minhas qualidades é permanecer sensível. Seja racional, me dizem. Não seja tão emocional, me dizem. E eu tento achar outra solução, que não seja ser racional e não ser emocional, talvez por que para mim seja impossível. Jogaram muito açúcar na fórmula, na verdade, não sei de onde veio a minha dramaticidade. De onde eu venho, não é assim. Mas o que eu queria dizer, dentre tanto nada que anda acontecendo nos meus dias, nesse momento de um nada imenso, uma solidão absurda e eu tentando aprender a ser só, como se isso fosse humanamente possível, é que eu penso em ti. Eu te mantive num altar por uma boa causa, quando vejo a sordidez do mundo eu penso em ti, quando a raiva azeda a minha garganta eu penso em ti, nos teus olhos brilhantes e na tua classe. Quando um amor termina, quando me sinto traída, quando perco a esperança nas pessoas, eu penso em ti e uma lágrima rola na minha face.

Nenhum comentário: