20.2.11

"Nunca encarei o suicídio como uma solução, porque eu odeio a vida por amor a ela." FP

Dentro da minha mente eu já estava quebrando tudo a minha volta, saindo sem rumo no meio da noite com os olhos sangrentos, jogando pedras na tua janela. Respiro com dificuldade, tudo é culpa do calor do verão e do calor da minha alma. A noite mais longa do ano foi até agora a noite mais longa do ano. Gostaria de quebrar em cacos a minha desilusão, a minha espera cronometrada, quando já não sei o que fazer ou pensar. Nessas horas, que penso que são as horas mais significativas da minha vida, e daí há algum sentido para que a dor exista, nada me ocorre além de uma grande desesperança. Sinto vontade de abandonar definitivamente as minhas tentativas de afeto, então, em seguida, lembro que é este mesmo afeto que me resgata de repente do fundo, num sopro de ar que me faz tomar fôlego.

É impossível desistir, a busca é um caminho sem volta, mas se é pra chorar que seja por um grande amor.

Nenhum comentário: