13.1.11

É complicado ser uma pessoa cheia de imaginação que vive tentando manter os pés no chão. É como se houvesse um eu verdadeiro movido a fantasias louco para fugir do ar a qualquer momento e sabe-se lá que coisas belas entre outras sujas criaria, se ficasse acordado, se fosse bem tratado. Então, por dentro é travada uma batalha para crer de dia apenas no que é visível, numa vontade racional de permanecer em terra firme, ter algum domínio sobre as emoções, mas entre uma piscada e outra de olhos me deixo sonhar, sonhar tanto. Eu sei que são só sonhos, tem dias que acredito, mas na maior parte do tempo desacredito de uma mínima possibilidade de realizá-los, faísca apenas os mantém vivos. Acreditar nos sonhos com veemência já me fez alcançar alguns, por isso, acredite. Talvez os sonhos sejam a polpa e a realidade a casca, a superfície da vida.

Nenhum comentário: