22.11.10

Amamos sem conhecer e isto nos aproxima, aquece em vez de assustar. Amamos no escuro, porque todo mundo é estranho, todo mundo é um oceano de sentimentos. Acontece assim, nós nunca mais nos veremos ou nos cruzaremos qualquer dia, qualquer hora dessas. Bar ou café. Atravessando a rua.

Na vida algumas marcas são definitivas. Será que um dia conheceremos alguém pela forma como fecha os olhos, pelo contorno da boca ou pela maneira que acena de longe? Será que um dia poderemos dizer que realmente conhecemos alguém?

Será que eu me conheço na minha vastidão?

Estranhos companheiros de jaula com sentimentos, capacidades aprisionadas.

Nenhum comentário: