17.1.10

A tranquilidade banha meus pés feito onda rasa
Vem e vai
Devolve e leva a calma
Enterra meus pés

Os olhos dela não me prendem e não me assustam
E sem medo, por segundos, experimento
Um estado de completude
Que não havia mais sonhado
Que só existe de fato em sonho
E eu sempre volto à tona

Mania de sonhar alto
Com o esvaziamento de toda dor
Querendo que a dor não faça parte de mim
E, de volta, aceitando a dor como velha companheira

Mania de sonhar com a totalidade dos sentimentos
Que só sei que existem em mim
Mania de querer mais dos outros, mais da vida...

A vida...
É página definitiva reescrita todo dia

Nenhum comentário: