13.11.09

A tua ausência me desola, e a tua presença é um perfume que agita o meu coração. A minha imaginação te inventa, junta a lembrança de ti com palavras soltas e com tudo que eu criei. Tem aquele tu que não és, que não sabes que és para mim. Cria-se uma rede de um sem fim de possibilidades. Me pego imaginando como te contar meus segredos. Preciso dar jeito no que sinto, tenho andado por aí meio amassada, avoada, até mesmo meio feia, deixando de olhar para os dois lados da rua, esquecendo guarda-chuvas. Às vezes, me chamam a atenção, e só aí eu me volto sem ter a menor idéia do que estão falando, me atrapalham enquanto estou longe pensando em ti. Meu sentimento não tem explicação, e os sentimentos sem explicação são os mais intensos. Sentimento não precisa de nome, de lógica, de razão de existir, sentimento acontece e pronto. E quando é demais me deixa assim, desfalcada, primeiro me desperta, dá vida, depois me esgota em horas de sono perdidas. Andei tentando achar um lugar calmo para ti na minha vida, uma gaveta, uma porta, uma cadeira na arquibancada, um travesseiro na cama. Não consegui, não cabes. És como uma música que não sai da minha cabeça.

Nenhum comentário: