6.11.09

Em teu coração que é cais
De raios de sol
Brilhos de lua
E de rimas
Sempre haverá aquele barco
À espera, mais perto de onde pulsas

Eu, no entanto
Que nunca construí um barco
Eu, que sou maré cheia
Te atravesso dia e noite
E não vês

Com meu coração de correnteza
Que passa e não para

Nenhum comentário: