25.10.09

Há tanto desencontro pela vida. Mas é daí que vem a poesia. A poesia sorri nos encontros e chora nos desencontros. Ela ainda busca meios. Importante é constatar que dentro de nós uma chama está acesa, o sentimento começa de dentro para fora. E cada um sente na intensidade que é capaz de sentir, clichê né. Eu penso em linhas imaginárias de energia flutuando no ar, vermelhas, amarelas, azuis, laranja, cor-de-rosa, ligando a gente. A linha que te liga a mim pode ser, neste momento, de uma cor menos vibrante do que a linha que me liga a ti. A linha que te liga a mim pode estar meio enrolada, interceptada por outras, enquanto a linha que me liga a ti, neste exato momento, é luminosa e certeira, vai em linha reta te buscar. E te encontra distraída. Que se há de fazer. Os desencontros da vida. Imagina se nossas linhas se encontrassem? Seria mágico. Eu acredito em mágica, mas mágica é a exceção, é raridade, é loteria.

Nenhum comentário: