28.2.09

I know by now that you'll arrive
by the time I stop waiting

I miss you


Foi numa dessas tardes quentes com vento e céu cor de chumbo que eu pude sentir novamente aquele nó na garganta, as palavras fugindo e um sem jeito de mexer os braços tentando esconder a tensão e o olhar que insiste, escapa, insiste, escapa até desistir em definitivo quando seguimos por caminhos diferentes. Ela deixou em mim o seu movimento quando passou com sua blusa verde - e sua verdade - e seu jeito raro de andar sem mexer os quadris e ombros erguidos, como alguém que pisa em nuvens e tem certezas. Foi uma difícil separação vê-la ir embora na direção contrária, mas confesso que no meu íntimo morta de medo eu torcia para que ela não percebesse, precisava aceitar meu destino, praticar o desapego, e um pensamento não parava de piscar: ela não é daqui, só pode ser uma estrangeira que amanhã ou depois ou na semana que vem volta para seu lugar sem saber que em uma tarde quente com vento e céu cor de chumbo num lugar distante de casa me arrebatou por completo.

Nenhum comentário: