6.9.08

Um livro com as páginas todas repetidas

E quase todas as pessoas seguem as suas vidas. Simples assim, vira a página ou nem teve página para virar, vivem o já, o momento presente. Minha alma ficou presa num momento passado, às vezes me vejo lá como que envidraçada, não é tranquilo como eu digo para disfarçar, é desesperador. Como eu pude cair de um abismo em outro assim. Às vezes me lembro de alguém em uma noite há meses atrás que me disse: tu é rápida. Isso já faz três meses. Não sei se três meses é muito ou pouco, se sou rápida ou demasiadamente lenta, acho que sou intensa. Algumas coisas não se pode reverter. Aí é esquecer ou esquecer. Mesmo que depois se possa novamente conversar como se nada houvesse acontecido, porque os atos apaixonados perdem o sentido quando não existe mais paixão ou quando há uma distância intransponível. Outras coisas são irreversíveis, ficam paralisadas, ficam cravadas na carne, embaralham os nossos sentidos, histórias mal-resolvidas que talvez nunca tenham solução. Um livro com as páginas todas repetidas.

Eu sinto uma tristeza de fracasso infinita. Em seguida, respiro fundo e tudo passa. Fico bem de novo. Estranho, sou eu me transformando em pedra mais uma vez ou finalmente estou amadurecendo.

3 comentários:

Leo disse...

não consigo entender essa gente que viras as páginas rápido demais. acho que eu sempre fico esperando que mais e mais coisas surjam das entrelinhas das páginas, e isso me faz demorar muito pra virá-las.

Amanda disse...

as pessoas são cada vez mais incapazes de gostar umas das outras.

mas não dá bola, eu ando baixo-astral. hehehe

Leo disse...

ai ai... eu tou querendo me animar... mas de leve, por enquanto. tenho que te contar as novidades!

beijos