4.9.08

sonho

Essa noite eu tive um dos piores pesadelos da minha vida. Seria o pior, não fosse o das portas que me atormenta há alguns anos. Era Natal, mas às vezes parecia Ano Novo. E eu estava num lugar que conhecia bem, a casa de alguém que conhecia bem. Lá estavam todos eles, os que eu não vi, sentia que estavam lá. Tudo começou no jantar, uma discussão besta por causa de uma brincadeira besta, que obviamente foi feita comigo e eu não gostei, porque achei agressiva. Logo se transformou em uma reunião para discutir sobre mim e eu tentava fazê-los me compreender, sempre com muitas lágrimas, porque no fundo eu sabia que eles não compreenderiam nunca. Até que eu disse (eles fingiam não me ouvir) que nunca mais queria vê-los e que nunca poderia perdoá-los pelo que estavam fazendo comigo. Aí, alguém que vou chamar de M. sugeriu que revistassem a minha bolsa. Era uma bolsa preta bem pequena onde estavam meus documentos, minhas chaves e dinheiro. Mas ela começou a tirar de dentro vários dvds de filmes e anotava os nomes (hehehe, essa parte é até engraçada). Estranho, essa semana sonhei com M. duas vezes. Continuando, perdi a bolsa. As pessoas foram sumindo, me perdi delas também, foi batendo um desespero porque não sabia como faria pra ir embora, sem dinheiro, aquela hora da noite, em pleno Natal. Encontrei alguém que vou chamar de L. Costumava gostar muito de L., mas ela costumava ser meio incoerente às vezes (e lógico que sempre ficava a favor dos seus). L. estava furiosa por eu ter estragado a festa dela e queria me bater, ela falava com aquela voz de fúria e os olhos dela me deixaram assustada. Fugi dali e comecei a procurar pelo meu pai nos corredores, achava que ele talvez pudesse me emprestar dinheiro pra ir embora, no mínimo, mas não encontrei ele. E, então, como muitas vezes nos sonhos e na vida, fui embora assim mesmo. Era noite e eu estava no centro da cidade com um mochila de roupas sujas. Achei um restaurante aberto e pedi para usar o telefone, queria ligar pra minha mãe pra que ela fosse me buscar. Eu digitava os números errados, tive dificuldade de lembrar do número da minha casa (mais sonhos com número, quem sabe completo meu palpite pra Mega Sena... hehehe). Consegui discar, mas a ligação estava muito baixa, eu não sabia se minha mãe estava ouvindo ou não o que eu falava. Desisti disso também. Percebi que roubaram minha mochila. Pedi dinheiro pra alguém que estava na mesa do lado, meio contrariado ele me deu algumas moedas, eu tentava contar, mas também não conseguia (será que eu era criança no sonho?), ele me ajudou, era suficiente. Saí caminhando pelo centro meio perdida, precisava de um plano, eu tinha dinheiro para um ônibus apenas, precisava de um que me deixasse o mais perto possível da minha casa, pois era muito perigoso ficar andando por aí à noite, ainda mais num feriado. E, ainda bem, eu acordei.

Nenhum comentário: